GARANTIMOS MAIS QUE LOGÍSTICA

Head Office +55 11 5908 4050

Blog MAC Logistic

Apesar dos avanços, investimento em infraestrutura é insuficiente no Brasil

3-01-2018

Uma das formas que o governo encontrou para retomar a geração de empregos foi acelerar o Programa de Parcerias e Investimentos (PPI). Cálculo dos gestores do programa apontam que, ao longo dos próximos 30 anos, as concessões já assinadas (logística, energia e petróleo) vão gerar 578 mil postos de trabalho. Segundo balanço divulgado em novembro passado, dos 145 empreendimentos qualificados no PPI, 70 já foram leiloados — por meio de renovações, prorrogações antecipadas e privatizações. Isso equivale a 48% de execução do cronograma previsto pelo programa da União. A estimativa é que os investimentos cheguem a R$ 142 bilhões e as outorgas somem R$ 28 bilhões.

A relação entre infraestrutura e emprego feita pelo governo é fácil de ser compreendida. Segundo a Fundação Dom Cabral, o Brasil cresceria 1% ao ano, chegando a 10% ao final de uma década, se destravasse os investimentos em infraestrutura. O coordenador do estudo, Paulo Vicente, lembrou na época da divulgação do trabalho que, para um Produto Interno Bruto (PIB) de R$ 6 trilhões, seria como se o país tivesse um ganho adicional na sua economia de cerca de R$ 60 bilhões em um ano – ou R$ 600 bilhões em uma década. Trata-se, de fato, de uma montanha de recursos.

Como se vê, a demanda é imensa. Dados do GI Hub, órgão criado pelo G20, o grupo de 20 países mais ricos do mundo, apontam que o Brasil investe apenas 56% do que é necessário para a infraestrutura nacional. Ou seja, a lacuna, que chega a 44%, ainda é enorme.

Para Venilton Tadini, presidente da Associação Brasileira da Infraestrutura e Indústrias de Base (Abdib), faltam projetos bem estruturados, com racionalidade econômica e volume suficiente para atrair investimentos. “Os projetos licitados até agora foram um sucesso nas mais diversas áreas, como exploração de petróleo e linhas de transmissão de energia. Mas são insuficientes diante da necessidade de infraestrutura nos três níveis de governo”, diz. Sem a ação do Estado, ressalta, não é possível uma retomada mais efetiva do setor.

Apesar dos avanços, o PPI não é suficiente para deixar para trás 25 anos de mau planejamento. Falta, diz Tadini, definir prioridades. “Esse é um dos setores que mais geram emprego. No entanto, investe-se hoje em infraestrutura 1,5% do PIB, enquanto que a média mundial é de 5%. Estamos muito longe, com defasagem de R$ 200 bilhões por ano”, afirma.

Segundo o especialista, em 2018 a situação da infraestrutura pode ficar mais delicada do ponto de vista da participação dos entes públicos, já que a arrecadação continua a cair e os orçamentos vêm sendo refeitos para adequar os recursos às demandas.

“Podemos acelerar vários projetos junto aos municípios e na esfera estadual, mas existe uma limitação pela própria natureza do setor de infraestrutura, que depende de investimento público. Por isso, é preciso ter atenção com o tipo de ajuste fiscal que se espera”, opina o presidente da Abdib. Se o ajuste for feito para cortar em infraestrutura, ressalta, corre-se o risco de o governo ter dinheiro para pagar as aposentadorias, mas “faltar luz dentro da casa das pessoas.”

Concessão

Apesar do esforço dos diferentes governos, ainda há muito a ser feito para destravar a infraestrutura. Na avaliação de Luíza Franco, professora de planejamento urbano e engenharia de tráfego do Ibmec-Belo Horizonte, uma das falhas recorrentes é a falta de detalhamento dos projetos antes dos leilões de concessão. “Muitas vezes, eles são apresentados no escuro. Se fossem melhor elaborados, com a parte de execução mais próxima da realidade, os erros e abandonos pelas concessionárias seriam em número bem menor”, garante a especialista. Detalhes sobre questões ambientais e de prazo, por exemplo, são tratados de forma imprecisa. Com o tempo, o investimento se torna pouco atraente ou difícil de ser executado pela vencedora do leilão.

Para um país continuar a se desenvolver, lembra a professora, é preciso manter um ritmo constante de investimentos em infraestrutura. No caso do Brasil, esse tipo de aporte poderia ajudar, por exemplo, a aumentar a competitividade do agronegócio, que depende de estradas, ferrovias e portos para escoar a sua produção. Estima-se que 5% da safra de grãos é perdida durante o transporte, um despropósito que resulta em prejuízos vultosos para o setor.

Um estudo recente da Confederação Nacional do Transporte concluiu que as más condições das rodovias deixam o transporte de soja e milho R$ 3,8 bilhões mais caro. No caso das ferrovias, a situação não é menos grave. O Brasil tem 3,4 quilômetros de infraestrutura ferroviária para cada 1.000 quilômetros quadrados de área. Nos Estados Unidos, o índice é de 22,9 quilômetros. Na Argentina, 13,3 quilômetros. Se nada for feito, o cenário vai piorar. Estimativas do Ministério da Agricultura mostram que, em 10 anos, a safra de grãos no país deverá crescer 30%. Quanto maiores os custos logísticos para levar os produtos aos compradores, menor é a competitividade do produto brasileiro.

Interligação

A boa notícia é que chegou a vez de o setor ferroviário ganhar espaço nos programas de infraestrutura do governo. Nos próximos cinco anos, as ferrovias devem movimentar cerca de R$ 57,1 bilhões em projetos de construção, ampliação e modernização da malha brasileira, beneficiando especialmente o transporte de minério e de grãos. Se os planos saírem do papel, em torno de 66 mil empregos, entre diretos e indiretos, poderão ser gerados pelo setor.

Dos projetos que devem absorver os R$ 57,1 bilhões, cinco integram o Programa de Parcerias de Investimentos (PPI) do governo federal. São eles: Malha Paulista (atual Rumo), MRS Logística, Estrada de Ferro de Carajás, Estrada de Ferro Vitória-Minas e Ferrovia Centro-Atlântica. Juntas, essas empresas podem desembolsar R$ 25 bilhões nos próximos cinco anos para operar 12,6 mil quilômetros.

A interligação logística entre ferrovias e portos pode levar a um aumento de investimentos além dos trilhos. Ao todo, o PPI inclui 32 projetos portuários, com previsão de R$ 5,819 bilhões de investimentos. Desses, oito estão concluídos, com o equivalente a R$ 1,32 bilhão de recursos.

Fonte: Correio Braziliense via Brazil Modal

Artigos Relacionados: Portarias vão regular investimentos portos brasileiros Presidente da Codesp pede descentralização dos portos brasileiros Overbooking" afeta exportação em contêineres do Brasil no 2º semestre, diz Maersk Portos brasileiros contarão com banco de dados para acompanhar preços Porto terá investimentos de R$ 50 mi em ferrovias neste ano Movimentação de cargas em portos brasileiros cresce 8,5% em 2017 Setor da infraestrutura apresenta agenda prioritária, mas diz que perda de ânimo é geral Produtos manufaturados brasileiros têm participação residual de 0,61% no comércio mundial 17 terminais portuários vão a leilão somando R$ 2,5 bi em investimento Brasil precisa investir R$ 25 bilhões em portos até 2040, informa estudo da CAF
transporte Infraestrutura Rodovias PPI setor ferroviário

mac-logo-pos

   

       

Conheça o grupo MAC Logistic! Ficaremos honrados em atendê-los e principalmente, apoiar o desenvolvimento dos seus negócios, através de projetos logísticos customizados.

   

OFFICES

    Brazil - Head Office (55 11) 5908-4050

    Florida Office +1 305 436-5141

    Vitória Office (55 27) 2122-1777

   maclogistic@maclogistic.com

CÂMBIO

       

As operações da Mac Logistic são regidas pelas Condições Gerais de Negócios registradas no 2º Cartório Oficial de Registro de Títulos e Documentos de São Paulo sob o número 3612634.