GARANTIMOS MAIS QUE LOGÍSTICA

Head Office +55 11 5908 4050

Blog MAC Logistic

Produtos manufaturados brasileiros têm participação residual de 0,61% no comércio mundial

1-08-2018

Brasília – A desvalorização do real frente ao dólar e a crise econômica ajudaram o Brasil a conquistar o mercado externo. A participação dos produtos industrializados brasileiros no comércio mundial aumentou de 0,59% em 2015 para 0,61% em 2016. Foi a primeira vez desde 2012 que a fatia do país cresceu, informa o estudo Desempenho da Indústria no Mundo, da Confederação Nacional da Indústria (CNI).

O ganho, mesmo que pequeno, mostra o aumento da competitividade do país, avalia a CNI. Para 2017, a estimativa é que os manufaturados brasileiros mantenham a participação de 0,61% do comércio mundial.

Mesmo assim, a participação brasileira está muito abaixo da dos 11 principais parceiros comerciais do país – Estados Unidos, Argentina, China, Alemanha, México, Japão, França, Itália, Coreia do Sul, Países Baixos e Reino Unido. Na comparação com esses países, a fatia dos manufaturados brasileiros no mercado mundial em 2016 só foi maior do que a de 0,13% da Argentina. A participação da China é de 16,99%, a da Alemanha, de 10,05% e, a dos Estados Unidos, de 9,39%.

Conforme o estudo, nos últimos dez anos encerrados em 2016, a participação do Brasil no comércio mundial caiu 0,19 ponto percentual. No mesmo período, a participação do México aumentou 0,43 ponto percentual e a Argentina perdeu 0,04 ponto percentual.

“A melhora do desempenho deve-se ao maior esforço exportador das empresas brasileiras, em razão da queda da demanda doméstica, e à desvalorização do real entre 2011 e 2015”, afirma o gerente-executivo de Pesquisas e Competitividade da CNI, Renato da Fonseca.

O estudo mostra ainda que o desempenho no comércio internacional não se repetiu na produção. A participação do Brasil no total da produção industrial do mundo caiu de 2,32% em 2015 para 2,08% em 2016. A queda de 0,24 ponto percentual foi superior à queda de 0,03 ponto percentual registrada pela Argentina e de 0,02 ponto percentual do México. Mas é menor do que a perda de 0,33 ponto percentual dos Estados Unidos. Entre 2015 e 2016, a participação da China aumentou 0,85 ponto percentual.

Conforme estimativa da Organização das Nações Unidas para o Desenvolvimento Industrial (Unido), a fatia do Brasil diminuiu ainda mais em 2017 e ficou em 1,98%. “A perda de importância da produção industrial mundial pelo Brasil é uma tendência de longo prazo, observada desde o final da década de 1990. “Nos últimos 20 anos, a participação brasileira caiu de 3,26% em 1997 para 1,98% em 2017”, ressalta o estudo.

Na avaliação da CNI, isso é resultado, especialmente, das deficiências na infraestrutura, do excesso de burocracia, da insegurança jurídica, a complexidade do sistema tributário e outros obstáculos que comprometem a capacidade de competição do Brasil.

Efeitos da Crise

Além disso, destaca o documento, a crise econômica contribuiu para aumentar o ritmo da perda de participação do Brasil na produção industrial do mundo. De 2013, antes da crise, até 2017, quando o país superou a recessão, a participação brasileira teve uma queda de 0,56 ponto percentual. Ou seja, a perda em quatro anos representou quase metade da queda registrada nos últimos 20 anos.

Mesmo assim, o Brasil continua entre os dez maiores produtores de manufaturados do mundo. Ficou em penúltimo lugar na lista que compara o país com os maiores produtores mundiais de manufaturados. No topo do ranking está a China, cuja participação na produção mundial de manufaturados foi de 24,83%. No último lugar, atrás do Brasil, aparece a Indonésia, com uma participação de 1,84%.

As participações do Brasil nas exportações mundiais de manufaturados e no total da produção industrial mundial são indicadores da capacidade de competição do país com seus parceiros comerciais.

“Para recuperar sua importância no mundo, o país precisa melhorar a competitividade. Essa melhora envolve a superação de gargalos antigos, como a baixa qualidade da infraestrutura e o complexo sistema tributário e, ao mesmo tempo, o enfrentamento de desafios novos, como a inserção na Indústria 4.0”, observa Renato da Fonseca.

Saiba mais

Faça o download do estudo Desempenho da Indústria no Mundo no Portal da Indústria.

(*) Com informações da CNI

Fonte: Comex do Brasil

Artigos Relacionados: Portos do Paraná têm recorde de investimentos e obras Temer lança editais da Norte-Sul, 12 aeroportos e 4 terminais portuários Movimento de cargas no Porto de Santos em 2018 mantém recorde e já ultrapassa 110 milhões de tonelad Comércio de contêineres no Brasil deve crescer 3,5% em 2018, aponta relatório Importações crescem 38,3% e balança tem déficit de US$ 1,12 bilhão na 4ª. semana de novembro Balança tem superávit na 3ª semana de novembro de US$ 1,802 bilhão Balança comercial tem superávit de US$ 2,665 bilhões em duas semanas de novembro Balança comercial tem maior superávit da série histórica para outubro CNI defende abertura comercial por meio de agenda ambiciosa de acordos de livre comércio Porto de Rio Grande alcança marca histórica de movimentação em setembro
comércio exterior brasil indústria CNI Produtos manufaturados comércio mundial

mac-logo-pos

   

       

Conheça o grupo MAC Logistic! Ficaremos honrados em atendê-los e principalmente, apoiar o desenvolvimento dos seus negócios, através de projetos logísticos customizados.

   

OFFICES

    Brazil - Head Office (55 11) 5908-4050

    Florida Office +1 305 436-5141

    Vitória Office (55 27) 2122-1777

   maclogistic@maclogistic.com

CÂMBIO

       

As operações da Mac Logistic são regidas pelas Condições Gerais de Negócios registradas no 2º Cartório Oficial de Registro de Títulos e Documentos de São Paulo sob o número 3612634.