GARANTIMOS MAIS QUE LOGÍSTICA

Head Office +55 11 5908 4050

Blog MAC Logistic

Setor portuário pretende negociar planos com novo governo

31-10-2018

O presidente eleito Jair Bolsonaro (PSL) terá quatro anos para colocar em prática a sua meta de melhorar a eficiência portuária e reduzir custos, além de atrair investimentos no setor. Para a iniciativa privada, essa é a oportunidade de tirar importantes obras do papel e garantir o desenvolvimento e uma maior atenção ao Porto de Santos. Por isso, entidades que representam empresas do segmento apostam em iniciar um diálogo com o grupo do próximo chefe do Executivo durante o período de transição, que já começa nesta terça-feira (30).

No seu plano de governo, protocolado no Tribunal Superior Eleitoral (TSE), Bolsonaro falou sobre a necessidade de integração das malhas ferroviária e rodoviária, ligando as principais regiões do Brasil, assim como é feito em outros países.

Em sua última visita a Santos, em fevereiro de 2016, Bolsonaro citou os gargalos ferroviários e a necessidade de ampliação da malha para o escoamento da safra agrícola até o Porto de Santos. “Devemos ter como meta a redução de custos e prazos para embarque e desembarque. Nosso objetivo é chegar, ao final do Governo, com patamares similares aos da Coreia do Sul (Porto de Busan), do Japão (Porto de Yokohama) e de Taiwan (Porto de Kaohsiung)”, destaca o plano de governo de Bolsonaro.

Segundo o diretor-presidente da Associação Brasileira de Terminais Portuários (ABTP), José Di Bella Filho, a entidade está finalizando um documento com as principais demandas do setor. O material será encaminhado à equipe do presidente eleito e debatido depois. Durante a campanha, a entidade se reuniu com todos os representantes dos candidatos. Para Di Bella, neste primeiro encontro, ficou clara a intenção do novo governo de cooperar com a iniciativa privada para o desenvolvimento do setor.

A principal demanda que a ABTP levará ao presidente eleito é a necessidade de reduzir a intervenção do Estado nos portos. A redução da burocracia para a facilitação dos investimentos privados é outra bandeira da entidade. “Os portos têm de se reequipar e ter capacidade adequada para atender a demanda crescente no Brasil”, destaca Di Bella. O executivo também aponta a necessidade de que as agências reguladoras atuem como órgãos de fiscalização e não como regradoras do setor.

Descentralização 

A descentralização da gestão portuária, a implantação de uma administração conjunta do poder público e da iniciativa privada, como existe em Algeciras, na Espanha, e investimentos em infraestrutura. Essas são algumas das expectativas do presidente do Sindicato dos Operadores Portuários do Estado de São Paulo (Sopesp), João Almeida. “Quando ouvimos o presidente eleito falar em menos Brasília e mais Brasil, ficamos confiantes que ocorrerá esta descentralização e que teremos gestores profissionais sem as indicações políticas nas autoridades portuárias. Precisamos ter continuidade na gestão da administração portuária local”, afirma o presidente do Sopesp.

Segundo Almeida, com a definição das eleições, a entidade dará continuidade à aproximação com o governo, em conjunto com a Federação Nacional dos Operadores Portuários (Fenop). “O que vemos por lá (em Algeciras) é o que queremos aqui. Menos interveniência e burocracia do Estado com gestão profissional e uma Autoridade Portuária independente, totalmente próxima a sua comunidade local, com um conselho de administração (Consad) único que inclua a composição atual do Conselho de Autoridade Portuária (CAP)”, afirma.

“A expectativa é positiva. O presidente eleito sinalizou a redução do tamanho do governo e as interferências nas atividades da iniciativa privada. Claro que há áreas em que deve haver essa presença do governo, mas ela precisa ser mais enxuta, moderna e adequada”, finaliza o presidente da Fenop, Sérgio Aquino. A entidade também pretende retomar contato com a equipe de Bolsonaro que fará a transição de governo. A ideia é um encontro com o general Arnaldo Ferreira, que é um dos cotados para compor a equipe ministerial.

Fonte: A Tribuna

Foto: José Roberto Gomes, da Reuters

Artigos Relacionados: Governo vai fazer corte gradual de 10% em tarifas de importação, diz Guedes Governo deve dar soluções distintas para melhorar gestão das docas, avalia ABTP Soluções inovadoras começam a aportar no setor aquaviário brasileiro para auxiliar operações Governo quer licitar 10 arrendamentos portuários antes dos 100 primeiros dias de gestão Codesp analisa propostas para projeto de novo acesso ao Porto de Santos Governo vai retomar concessões de ferrovias e oferecerá três até 2020 Portos públicos terão maior autonomia, diz novo secretário MDIC: novo governo diz que vai manter Programa Brasil Produtivo Terminais privados pedem menos barreiras para investimentos a partir do novo governo Temer lança editais da Norte-Sul, 12 aeroportos e 4 terminais portuários
investimento Infraestrutura obras PortodeSantos MacLogistic SetorPortuário

mac-logo-pos

   

       

Conheça o grupo MAC Logistic! Ficaremos honrados em atendê-los e principalmente, apoiar o desenvolvimento dos seus negócios, através de projetos logísticos customizados.

   

OFFICES

    Brazil - Head Office (55 11) 5908-4050

    Florida Office +1 305 436-5141

    Vitória Office (55 27) 2122-1777

   maclogistic@maclogistic.com

CÂMBIO

       

As operações da Mac Logistic são regidas pelas Condições Gerais de Negócios registradas no 2º Cartório Oficial de Registro de Títulos e Documentos de São Paulo sob o número 3612634.